Últimas

29/08/2021

O 'Salvador' do Benfica chama-se Gilberto. Águias no trono da I Liga

Os encarnados estiveram a perder, mas operaram a reviravolta no marcador na etapa complementar.

O Benfica sentou-se, neste domingo, no trono isolado da I Liga, com um pleno de quatro triunfos em outros tantos jogos. O último diante do Tondela, num jogo em que começou a perder, na sequência de um tento de Salvador Agra (22’), para na etapa complementar Rafa (71’) e Gilberto (88’) operarem a cambalhota no marcador. Se as águias têm agora dois pontos de vantagem sobre Sporting, FC Porto e Estoril, a formação beirã cai agora para a 12.ª posição, com apenas três pontos.

O 'Salvador' que apagou o inferno...

Com sete alterações comparativamente ao onze que alinhou em Eindhoven e o regresso ao 4-4-2, o Benfica entrou na Luz apático e apenas vivendo de alguns fogachos. Darwin apresentava-se como o homem mais próximo do golo, numa equipa que nunca apertou muito o cerco à baliza beirã.

Organizados e acutilantes no contra-ataque, os pupilos de Pako Ayestarán estiveram sempre atentos à baliza rival e, à passagem dos 22 minutos, acabaram mesmo por se adiantar no marcador, por intermédio de Salvador Agra que, na sequência de um remate cruzado, obrigou mesmo por obrigar Vlachodimos a ir buscar a bola ao fundo da baliza.

O Tondela não perdeu a mira pela baliza contrária e o Benfica continuava a subsistir de pequenos rasgos individuais, sendo que até ao fim da primeira parte a soberana ocasião acabou por surgir pelo pé esquerdo de João Mário, com o guardião Niasse a levar a melhor sobre o internacional português.

Jesus teve de ir ao banco resgatar os três pontos

Jorge Jesus que operou ao intervalo três alterações de uma assentada (saíram Pizzi, André Almeida e Meité, para as entradas de Gilberto, Weigl e Rafa), para depois sim o jogo começar a subir para um nível… eletrizante. Gilberto começou por falhar de forma escandalosa à boca da baliza, para pouco depois ser Boubacar Niasse a negar o golo a Gonçalo Ramos.

E numa etapa complementar de quase sentido único foi o senegalês, lance após lance, a estar nos holofotes da Luz: aos 67 minutos voltou a estar em evidência, negando o golo a João Mário, para no lance seguinte impedir o tento a Grimaldo.

Porém o dique deu mesmo o estoiro aos 71 minutos, na sequência de um pontapé de canto, em que Rafa apareceu ao segundo poste para restabelecer a igualdade. Perto do fim, e já com menos fulgor, as águias acabaram por operar a reviravolta por obra de Gilberto… aos 88 minutos.


 


 

Post Top Ad

Blossom Themes