Últimas

12/07/2021

Portugal fecha Europeus de atletismo de sub-23 com mais duas medalhas


 

O balanço global passa também pelo bronze de Isaac Nader, nos 1.500 metros, no sábado, o que deixa o atletismo luso em 20.º lugar no quadro de lugares de pódio, um resultado em linha com as expectativas da comitiva.

O último dia dos Europeus de atletismo de sub-23, que hoje terminaram em Tallin, foi proveitoso para Portugal, com as medalhas de prata de Etson Barros, nos obstáculos, e Leandro Ramos, no dardo.

O balanço global passa também pelo "bronze" de Isaac Nader, nos 1.500 metros, no sábado, o que deixa o atletismo luso em 20.º lugar no quadro de lugares de pódio, um resultado em linha com as expectativas da comitiva.

A fechar a participação portuguesa, Leandro Ramos conseguiu aquela que é a primeira medalha de sempre alcançada por portugueses no lançamento do dardo, em qualquer escalão.

O abriu com a marca de 73,88 metros, "para garantir o apuramento para os oito primeiros classificados, para ter mais três lançamentos". No segundo ensaio chegou aos 80,18 metros, que o trouxeram então para a liderança.

Na queda que teve no sector, apoiou-se com as mãos em cima da linha lateral e viu o seu ensaio ser anulado, mais tarde.

O finlandês Topias Laine, um dos favoritos, assumiu então a liderança, com um recorde pessoal a 81,67 metros. Leandro Ramos respondeu com 78,95 metros no terceiro ensaio, para chegar ao segundo posto de onde não saiu mais. Ao quarto ensaio tirou as dúvidas ao marcar 80,61.

"Estou satisfeito com esta minha medalha. Quando se ganha uma medalha não se pode ficar a pensar que correu mal isto ou aquilo. Foi um momento muito bonito e está feito", disse o atleta, no final da prova.

Para o atleta do Benfica, a competição foi encarada também como "uma diversão". "Isto é desporto. Já conheço os meus adversários de outras provas, sei que são muito bons competidores, e quem ganhou foi melhor. O espírito entre todos era esse, de diversão em ver quem conseguia chegar mais longe e eu estive bem. Estou muito satisfeito", acrescentou.

Etson Barros superou-se na final dos 3.000 metros obstáculos, ao registar um novo recorde pessoal, a 8.38,00 minutos.

Há dois anos medalhado de bronze na mesma prova nos Europeus Sub-20, já tinha impressionado na meia-final, sendo segundo classificado e retirando boas impressões para a forma como correria a final.

"Entrei na corrida com vontade de ser eu a mandar no ritmo", disse o atleta no final da prova, satisfeito com o resultado alcançado: "Na meia-final fui atrás deles, ou muito rápido ou muito lento, e fui-me desgastando. Para hoje a táctica era correr ao meu ritmo, ir para a frente, se fosse preciso, manter um ritmo em que me sentisse confortável, só não o fazendo se visse alguém vir para a frente fazer isso. Foi o que aconteceu".

"As últimas três voltas foram muito difíceis. Foi sofrer e rezar para que a medalha não fugisse. Na última volta, então, foi mesmo correr pela vida e agradeço ao meu treinador, Paulo Murta, ter-me preparado para este desfecho", concluiu Etson Barros.

O outro português presente, Simão Bastos, terminou em nono, com 9.48,38 minutos, perto do seu recorde pessoal.

Na partida dos 5.000 metros femininos estiveram três lusas - Lia Lemos, Sara Duarte e Mariana Machado, a mais forte do trio, mas que acabaria por desistir.

Lia Lemos concluiu em nono lugar, com 16,12,2 minutos, e Sara Duarte foi 12.ª, com 16.35,6 (resultados manuais por falha elétrica).

Os dois portugueses que concluíram o decatlo estiveram ao nível que se esperava, com Edgar Campré a ser 13.º, com 7.422 pontos, a 30 pontos do seu recorde, e Manuel Dias a ser 14.º, com 7.400 pontos, um recorde pessoal que o deixa como terceiro português de sempre nos sub-23 e quinto melhor português absoluto de sempre.

 

 

Post Top Ad

Blossom Themes