Últimas

23/03/2021

Euro sub-21: Pauleta confia em Portugal para suplantar fase de grupos

 


A seleção portuguesa de sub-21 acredita que tem atributos suficientes para superar a fase de grupos do Campeonato da Europa da categoria, garantiu hoje o ex-futebolista e chefe da comitiva nacional Pedro Pauleta.

Encontrei o grupo bem, com muita vontade e alegria de representar a seleção e com a expectativa de fazer uma boa fase inicial. Estamos muito confiantes e acreditamos no valor e potencial dos nossos atletas", partilhou à agência Lusa o diretor das seleções jovens da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), antes da viagem para a Eslovénia.

Portugal arranca na quinta-feira a oitava participação na fase final de um Europeu de sub-21, que integrará pela primeira vez 16 seleções e será disputado entre Hungria e Eslovénia num formato inédito, com a fase de grupos a decorrer de 24 a 31 de março.

Finalista vencida em 1994 e 2015, a equipa das 'quinas' terá de ficar numa das duas primeiras posições do Grupo D para entrar na ronda eliminatória (quartos de final, meias-finais e final), destinada às oito melhores seleções, entre 31 de maio e 06 de junho.

"Há duas vagas de acesso às eliminatórias, mas só podemos pensar nisso se conseguirmos passar esta fase. A concentração dos jogadores está unicamente nestes três jogos, porque só assim faz sentido. Sabemos que os adversários são de grande qualidade e por isso é que estão aqui connosco no Campeonato da Europa", vincou.

Portugal vai realizar os três jogos do Grupo D na Eslovénia e estreia-se frente à Croácia na quinta-feira, às 21:00 locais (20:00 em Lisboa), em Koper, antes de rumar à capital Ljubljana para medir forças com a Inglaterra, no domingo, às 21:00 locais (20:00 em Lisboa), e a Suíça, em 31 de março, às 18:00 locais (17:00 em Lisboa).

"Acho que é um grupo bastante equilibrado. É óbvio que, se olharmos aos nomes, que é aquilo que fazemos muitas vezes quando analisamos o sorteio, a Inglaterra é uma das seleções que tem sido sempre favorita nos últimos anos na formação, tal como são Espanha, Itália, França, Alemanha, Portugal ou Países Baixos", analisou Pedro Pauleta.

O segundo melhor marcador de sempre da equipa das 'quinas', com 47 golos em 88 jogos, entre 1997 e 2006, destaca ainda a Suíça, que se apurou com uma derrota e os mesmos pontos da França, além da "qualidade técnica muito forte" típica da Croácia.

"Pode ser um dos Europeus mais fortes, porque estão praticamente todas as grandes seleções. Tenho a certeza de que cada jogo vai ser muito difícil. Será uma competição muito disputada jogo a jogo para conseguir, para já, o primeiro objetivo, que é passar à fase seguinte. Mas, repito: acreditamos muito na nossa seleção, que é capaz", reforçou.

Pedro Pauleta, de 47 anos, nunca participou em fases finais de torneios jovens de seleções, mas esteve presente em dois Europeus seniores (2000 e 2004) e outros tantos Mundiais (2002 e 2006) e reconhece que o jogo de estreia "é sempre muito importante".

"Já ouço essa pergunta há muitos anos. Se ganhas, dá-te confiança e, apesar de não estar garantido, ficas mais perto. O primeiro jogo é também aquele em que, se não consegues ganhar, não queres perder para que tudo continue em aberto. A derrota acarreta uma pressão maior, mas não quer dizer que não vais atingir o objetivo", notou.

A preocupação de "ganhar o mais depressa possível para enfrentar os jogos seguintes com mais confiança" encaixa com a necessidade de os jogadores "estarem conscientes" da curta duração da prova, cujo "único problema é o pouco tempo de preparação".

"Tem de ser a imagem de sempre: representar Portugal com um grande sentido de responsabilidade. Quando vestem essa camisola, os atletas têm de ter orgulho perante todo um país que está a apoiar. Felizmente, pelos anos em que vou tendo na FPF, todas as seleções da formação têm tido um compromisso excelente", concluiu o ex-avançado.

 

Post Top Ad

Blossom Themes